Os reflexos dos pais e do ambiente na saúde da criança

Em 28/07/2020 11:49

Reportagem por Dan Amaral Fisioterapia

Os reflexos dos pais e do ambiente na saúde da criança

É muito comum num pré-natal a preocupação principal ser voltada aos aspectos básicos como: está se alimentando bem? Toma vitaminas? Faz exercícios?

A verdade é que os casais não fazem ideia do quanto o ambiente influencia na vida fetal, na infância e em toda a vida de um ser humano!

Estudos comprovam que tudo o que se passa na vida dos pais durante o processo de impressão genômica tem influência profunda sobre a mente e o corpo da criança. A consciência e a intenção podem produzir um bebê mais inteligente, saudável e feliz, o que mostra que a maioria dos casais não estão preparados para ter um filho (Verny e Weintraub, 2002).

Os mesmos autores mostram que, acordadas ou dormindo, as crianças estão constantemente sintonizadas com as ações, os pensamentos e os sentimentos da mãe. Desde a concepção, no útero, molda-se o cérebro e estabelece-se o tipo de personalidade, temperamento e capacidade de pensar do indivíduo.

A base da paternidade consciente é que tanto as mães como os pais têm as mesmas responsabilidades em torno da saúde, inteligência e felicidade dos filhos. Não podemos nos culpar ou culpar os nossos pais pelos problemas em nossa vida, nem na vida de nossos filhos. A ciência, durante anos, se concentrou tanto em determinismo genético que hoje não temos consciência da influência das crenças em nossas vidas e na dos nossos descendentes.

A mensagem, tanto para os pais adotivos quanto para os naturais, é muito clara: os genes que foram transmitidos aos seus filhos refletem apenas um potencial, não o seu destino. É sua responsabilidade fornecer a eles um ambiente que incentive o desenvolvimento pleno de suas características inatas.

Devlin et al, 1997, comprovou que as condições ambientais no período fetal podem afetar o QI da criança em 50% do seu potencial. A lição para quem quer ter filhos é que as atitudes dos pais no período da gravidez podem causar danos drásticos à inteligência da criança. Portanto, sentimento de rejeição, abandono e estresse são muito mais traumáticos que muitos outros fatores questionados no pré-natal (Devlin et al., 1997; Mc Gue, 1997).

Por isso vale salientar que as informações adquiridas por intermédio da percepção de nossos pais atravessam a placenta, ajudando a formar a fisiologia do feto. Hoje os pais têm escolha: eles podem programar suas crenças limitadas sobre a vida antes de trazer uma criança ao mundo.

Faz diferença sermos concebidos com amor, com pressa ou com ódio, e se nossa mãe realmente queria engravidar. Os melhores pais são aqueles que vivem em um ambiente calmo e estável, sem vícios, e que têm um bom relacionamento com a família e os amigos.

Na MICROFISIOTERAPIA é possível acessar na criança informações no nível celular registradas de eventos experimentados pelos pais no período pré-concepção (3 meses antes da gravidez), transgeracional (traumas herdados de outras gerações familiares), fetal (gestação) e infância. Esses eventos podem deixar marcas chamadas de cicatrizes patogênicas, que podem desencadear sintomas como refluxo, cólicas, otite, conjuntivite, bronquiolites, amigdalite, febre, intolerâncias, anemia, dentre outros inúmeros sintomas. No primeiro atendimento já é possível ver resultados surpreendentes. O tratamento é indicado para todas as idades e é o 2º mais indicado na França.

A técnica é liberada somente para fisioterapeutas especializados na área, com formação exclusiva pelo Instituto Salgado.

Obs: não é igual ao reiki, barra de access, reflexologia ou outras terapias.

REFERÊNCIAS:
CANDACE, Pert. Conexão mente corpo espírito. 2009
(BRUCE Lipton. Biologia da crença, 2007)

Dra. Edilaine Amaral, fisioterapeuta, crefito 178614-F


Tags da postagem

microfisioterapia Saúde bem estar Crianças bebê filhos Família reflexos Dan Amaral Clinica Dan Amaral edilaine amaral Referencia em microfisioterapia Quilombo Chapecó São Lourenço do Oeste santa catarina brasil 23 de novembro de 2020 pais relação famíliar